Discos cromáticos

Glossário sobre a abreviação das cores

Os discos ou círculos cromáticos, ou sistemas de cores, são formas de organizar a percepção cromática humana. Existe o sistema de síntese aditiva, onde a cor é percebida diretamente a partir da fonte luminosa; e o sistema de síntese subtrativa no qual a cor é percebida a partir do reflexo da luz sobre uma superfície.

Cores primárias seriam um número mínimo de pigmentos a partir dos quais se poderiam obter todas as demais cores. Ou seja, as cores primárias são aquelas que não podem ser obtidas a partir da mistura de outras cores. Cores secundárias são aquelas originadas pela mistura de duas cores primárias. Cores terciárias ou intermediárias são as cores que se consegue misturando uma cor primária com uma cor secundária. Cores complementares são aquelas que estão em oposição no círculo cromático. Uma cor primária sempre tem uma cor secundária como complementar. A cor complementar do azul (primária) é o laranja (secundária). As cores análogas são as que estão lado a lado no círculo cromático.

Conhecer estes conceitos e relações será útil como embazamento de suas decisões durante o desenvolvimento de trabalhos de comunicação visual. 

Disco cromático das belas-artes - RBY

Círculo cromático utilizado nas belas-artes
Círculo cromático utilizado nas belas-artes

Há dois principais círculos cromáticos de síntese subtrativa, cada qual com suas distintas cores primárias. Aquele que você aprendeu nas aulas de artes do colégio usando lápis de cor é conhecido como a Roda de Oswald e é o círculo cromático usado para belas-artes, demonstrado acima.

O círculo cromático clássico acima não possui embazamento científico, sendo tão simplesmente uma convenção para facilitar os estudos. Utiliza como cores primárias o vermelho, azul e amarelo, conhecido também por sua sigla em inglês RBY. Na pintura acadêmica clássica, as demais cores poderiam teoricamente ser obtidas através destes pigmentos.

Disco cromático da indústria gráfica - CMY

Círculo cromático CMY utilizado pela indústria gráfica
Círculo cromático CMY utilizado pela indústria gráfica

Atualmente as artes gráficas utilizam o conhecido sistema industrial CMYK - Ciano, Magenta, Amarelo e Preto. O sistema é baseado nas cores primárias propostas originalmente por Goethe - Azul-celeste, Púrpura e Amarelo -  convertidas em CMY  - Ciano, Magenta e Amarelo - com a adição do preto K por uma questão prática de economia e agilidade. Como o preto é uma cor onipresente nos trabalhos de impressão gráfica, a existência de um canal só de preto não só agiliza a impressão com a dispensa de se misturar as três cores primárias para obtê-lo, como naturalmente as economiza. Sem contar que o "preto" obtido com a mistura das três cores CMY resulta num marrom escuro. Vale comentar que o branco do papel é levado em conta na hora de se passar brilho ou luz.

Disco cromático luminoso - RGB

Círculo cromático RGB utilizado em monitores
Círculo cromático RGB utilizado em monitores

Os sistemas aditivos são utilizados principalmente em luminotécnica e em equipamentos eletrônicos de vídeo e imagens. O mais utilizado é o sistema RGB - Vermelho, Verde e Azul.

Tonalidade ou luminosidade

Observe que os círculos cromáticos acima possuem uma gradação de tonalidade ou luminosidade da cor que segue do preto, no centro dos círculos, ao branco, em direção as suas bordas. Essa gradação é muito utilizada nos trabalhos de comunicação visual, como por exemplo, em efeitos de tom sobre tom, em composições com tonalidades pastéis (cores clarinhas) ou em composições com tonalidades sombrias (cores escuras).